terça-feira, 4 de novembro de 2008

Olhe nos meus olhos!

"Olhe nos meus olhos!" - O autor John Elder Robison cansou de ouvir essa frase durante a infância. Isso porque as pessoas não compreendiam a reação que freqüentemente esboçava quando alguém lhe dirigia a palavra. John desviava seus olhos, não por ser um pessoa que inspirasse desconfiança, mas, sim, por ter sérias dificuldades de interagir socialmente. Ele sofre da Síndrome de Asperger, doença caracterizada por um leve autismo. Com o passar do tempo, as pessoas passaram a entender as limitações de John e sua maneira de lidar com os outros. Mas até chegar a isso, ele passou por muitas experiências desagradáveis, situações embaraçosas e cenas constrangedoras. John agora pode contar sua história.

Desde criança, mesmo com dificuldade de interagir socialmente. John Robison ansiava em se relacionar com outras pessoas. Na adolescência, os problemas se agravaram e seus estranhos hábitos - uma inclinação para falar sem pensar, evitar estabelecer contato visual com os outros, desmontar rádios, manias "pirotécnicas" e cavar buracos de dois metros (prendendo seu irmão mais novo dentro deles) - fizeram-no ser rotulado como um jovem com desvios de conduta. Não recebeu nenhum tipo de orientação, seja por parte da mãe, que não conseguia falar sobre assuntos mais densos, ou por parte do pai, que passava as noites mergulhado em bebidas.

Depois de sair de casa e abandonar a escola secundária, sua impressionante habilidade em visualizar circuitos eletrônicos lhe proporcionou um trabalho com a banda de rock KISS, e criou as lendárias guitarras de Ace Frehey. Mais tarde, tentou integrar-se em um emprego "de verdade", como engenheiro, numa grande empresa de brinquedos. Porém, quanto mais Robison galgava posições na companhia e esforçava-se em agir como uma pessoa "normal", mais se distanciava de realizar aquilo que acreditava ser capaz de fazer: comunicar-se. No entant, esse sacrifício não valia o salário.

Somente aos 40 anos Robison foi diagnosticado por um atento terapeuta: era portador de uma forma de autismo, chamada Síndrome de Asperger. Essa súbita compreensão transformou a maneira com Robison se via - e como via o mundo.

Olhe nos meus olhos é a tocante narrativa por vezes transbordante de humor negro, de alguém que cresceu com a Síndrome de Asperger numa época em que esse diagnóstico não existia. Contador de histórias nato, Robison leva o leitor a uma viagem à mente de um rapaz cujos professores, além de outros adultos, consideravam "imperfeito", que não conseguia tirar proveito do infindável manacial de tiete do KISS, e ainda possuia uma peculiar aversão em usar o nome próprio das pessoas (ele chama sua esposa de Unidade Dois). O livro proporciona também um relato fascinante sobre o irmão mais novo, que foi deixado à mercê dos pais amalucados - rapaz que, mais tarde, mudou seu nome para Augusten Burroughs e escreveu o best-seller Correndo com as Tesouras.

No final das contas, esta é a história da jornada de Robison pelo seu mundo e de que forma alcançou o nosso, de sua nova vida como marido, pai e bem-sucedido dono de um negócio de restauração de automóveis - um de seus mais acalentados sonhos de criança. É um relato estranho, por vezes malicioso, contudo sincero e profundamente humano.

John Robison mora com sua esposa e filho em Amherst, Massachussetts. Sua empresa, JE Robison Service, conserta e restaura carros europeus.

Visite seus sites: http://www.robisonservice.com/ e http://www.johnrobison.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário