quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Estimulando o desenvolvimento de uma criança com necessidades especiais

Não há duas crianças com necessidades especiais iguais, nem as que têm necessidades especiais semelhantes. Neste texto, vamos explorar as necessidades especiais variadas e saber como estimular uma criança com necessidades especiais e ajudá-la no processo de seu desenvolvimento.

O papel dos pais

Dar amor e apoio - as crianças com necessidades especiais precisam de amor e apoio de seus pais, assim como qualquer criança. Algumas vezes, os pais ficam tão absorvidos pela necessidade de estimular seu filho e compensar sua deficiência que acabam esquecendo que a tarefa mais importante é amá-lo e gostar dele como ser humano. Quando uma criança vê que seus pais gostam de estar com ela, ela aumenta o valor que dá a si própria. Esse sentimento crescente de valor é uma medida importante do sucesso dos pais em criar uma criança com necessidade especial.

Estimule a independência - se você tem uma criança com necessidades especiais, seus objetivos são estimular a independência e ajudar seu filho a desenvolver um sentimento de valor e realização pessoal. Com terapia e jogos, você ajuda o seu filho a lidar com seu problema e realizar seu potencial completo. A quantidade de independência de seu filho vai depender, bastante, não apenas de qual necessidade especial ele possui, mas como você o deixa realizar sozinho cada estágio.

Todas as crianças passam por momentos em que parecem parar de melhorar ou quando podem até regredir um pouco. Esse pode ser um momento especialmente difícil para os pais, pois têm que aprender a avaliar o progresso de seu filho.

Concentre-se em objetivos a curto prazo - quando seu filho atingir um platô (estagnar seu desenvolvimento), olhe para trás e se concentre no quanto ele já progrediu. Este também pode ser um bom momento para esquecer objetivos a longo prazo e se concentrar nos objetivos a curto prazo: alimentar-se com as mãos, vestir-se, repetir a primeira palavra ou frase inteligível ou finalmente ir ao banheiro sozinho. Quando os pais concentram suas energias em um único objetivo a curto prazo, uma criança com necessidade especial pode começar a progredir novamente. Ao parar de observar como a criança lida com esses desafios, como se adapta a novas e maiores necessidades, os pais podem se ajudar a desenvolver expectativas realistas para seus filhos.

As crianças progridem mais quando os pais agem como seus advogados, escolhendo os métodos educacionais mais apropriados, definindo objetivos razoáveis e fornecendo um ambiente caloroso e protetor. Os pais deveriam enxergar a si próprios como parceiros dos profissionais na hora de planejar os cuidados de seus filhos com necessidades espaciais.

Estimulando o potencial de desenvolvimento

A partir do momento em que nascem, as crianças começam a aprender sobre o mundo ao seu redor. Elas aprendem através de seus movimentos e dos cinco sentidos. Quando um ou mais desses sentidos são danificados, a maneira como a criança vê o mundo é alterada e sua habilidade de aprender se altera. Mas com os avanços na medicina, tecnologia e nossa compreensão sobre como os bebês crescem e aprendem, podemos esperar desenvolvimento mental e físico muito maior de crianças com necessidades especiais do que imaginávamos há uma década. O tamanho desse desenvolvimento depende da extensão da sua limitação, quão breve ela foi diagnosticada corretamente e o quão rapidamente a criança é colocada em um ambiente de estímulos apropriados. Crianças com limitações mentais, por exemplo, precisam de estímulos freqüentes e consistentes devido às suas dificuldades de concentração e memória. Elas também podem ter dificuldades de percepção que tornam difícil compreender o que está acontecendo ao redor e o motivo dessas coisas.

Concentre-se no sentido debilitado - em muitos casos, as habilidades da criança podem ser melhoradas ao estimular o sentido deficiente. Crianças com distrofia muscular, síndrome de Down e paralisia cerebral costumam se beneficiar de um programa de fisioterapia que exercite seus músculos. Exercitar as pernas e pés da criança com casos graves de espinha bífida os preparam para andar com aparelhos e muletas. Já as crianças surdas podem aprender a usar sua audição residual com a ajuda de equipamentos auditivos e treinamento auditivo que aumenta e expande sua habilidade de ouvir. As crianças cegas podem afiar seus outros sentidos para ajudar a compensar sua falta de visão, enquanto aprendem sobre o mundo. E, por último, as crianças com síndrome de Down e paralisia cerebral também podem se beneficiar de terapias visuais, auditivas e ocupacionais.

Trabalhe com um fisioterapeuta - (ou terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, psicólogo) programas de estímulo preparados para crianças desde o nascimento até os três anos demonstraram que mesmo crianças com necessidades especiais graves podem aprender, crescer e participar do mundo que as cerca. Os pais podem guiar muitos dos exercícios desses programas sozinhos, mas quase sempre se beneficiam da supervisão de um terapeuta especializado. O seu posto de saúde, escola pública ou secretaria da saúde locais podem ter um programa de estímulo infantil adequado ou podem lhe recomendar um terapeuta especializado que pode visitar sua casa regularmente para ajudar seu filho e ensinar exercícios e jogos adequados para você. Hospitais universitários e organizações privadas que auxiliam crianças com necessidades especiais também são boas fontes de informação.

Use brincadeiras para explorar - brincadeiras são uma importante forma de aprendizado para todas as crianças. As crianças com necessidades especiais que não podem se movimentar para explorar sozinhas ainda têm a possibilidade de aprender sobre os arredores ao viajar com a família. Dentro de casa, ela pode ser carregada ou guiada de um cômodo a outro para tocar, sentir, ver, cheirar ou ouvir vários objetos. Crianças cegas podem usar suas mãos, rostos, pés e outras partes de seus corpos para explorar e aprender. E as surdas precisam de estímulos de linguagem constantes e, como todas as crianças, precisam ouvir explicações sobre o que está acontecendo ao seu redor. Figuras em livros e revistas são outra forma de expor essas crianças a lugares, pessoas, animais e formas de vida fora de seu círculo comum.

Brinquedos dão outro meio de compreender nossos corpos e o mundo. Crianças com necessidades especiais podem ter problemas para usar brinquedos convencionais, mas os pais podem adaptá-los às necessidades deles ou criar brinquedos apropriados. Muitas comunidades possuem brinquedotecas que funcionam como recurso para fornecer brinquedos projetados ou selecionados especialmente para crianças com necessidades especiais.

No entanto, não importa o quanto um pai ou uma mãe tente dar a seu filho, sempre há limites para o que eles podem conseguir sozinhos.

por Michael Meyerhoff, Ed.D. - traduzido por HowStuffWorks Brasil

Texto extraído do site HowStuffWorks

5 comentários:

  1. Fiquei viciada no seu blog. Leio e releio os textos que você posta. Amei o do "desbiciclético" e sempre que leio sobre "deixe seu filho independente" eu penso nele. Estou reunindo pais de autistas em Uberaba para ter uma toca de experiências e desabafos e levei o texto para animar as mamães e papais a acreditarem no sues filhos. Minha mãe ama tanto meu irmão que muitas vezes o atrapalha. Ela está adiando um exame de sangue (painel alérgico) por achar que ele vai sofrer e eu acho que estamos perdendo tempo, que é normal uma criança passar por um exame...

    Amei esse texto! Seu blog me anima a cada dia a acreeditar nas mínimas evoluções do Lu e sempre lembrar os grandes passos que já demos pra chegar aonde estamos.

    Muito obrigada!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. bom dia,
    Luísa, minha filha de quatro anos, tem necessidades especiais, do tipo atraso neuro-psico-motor. Andou aos dois anos e ainda não formula frases, somente palavrinhas isoladas, mamae, papai, xixi, xuxa, conta de um a dez, verabliza as vogais. É extremamente esperta, tem muita percepção e um ótimo sentido de localização. Não se perde. O problema que tenho encontrado é na falta de concentração e na raivinha. Não tenho conseguido que se interesse por muitos brinquedos ou brincadeirinha. É viciada em dvds, principalmente se for xuxa e sherek. Um dos motivos da raivinha é: Tirar ela do dvd para uma outra atividade. Ou bem, não sei como dar limites sem prejudicar ainda mais o psicológico, já que ela chora, grita, bate, etc... Estou entrando em parafuso. Acho que estou perdendo tempo. ELa tem acompanhamento com alguns profissionais, fisio, fono, pedagogico, mas falta em casa... preciso de ajuda pra que Luísa alcançe a independência, já que é filha única e os pais já passam dos 40. Socorro!

    ResponderExcluir
  3. Oi Luisa, Na minha opinião você deveria reduzir o tempo na TV gradativamente, trocando por um brinquedo que ela goste.
    Você tem de brincar com ela, de preferencia com interação tipo jogar uma bola ,ler uma estória.
    Quando chorar, reaja com calma, pois caso você fique nervosa, e agir rapidamente, ela irá entender que chorando irá conseguir as coisas mais facilmente.

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    Luiza é esperta e inteligentíssima,por não saber falar frases inteiras usa o artifício do choro,mãe não entre em parafuso,dê muito carinho e amor,quando quiser desviar a atenção de Luiza do DVD,procure negociar com ela,com algo que ela mais gosta,mãe role pelo chão com Luiza,sorria e a beije sempre,não se preocupe com os afazeres de adultos,somente brinque,brinque mais com Luiza,o amor pode ser cego,não deixa você ver que Luiza precisa adquirir autonomia,mas a amizade é clarividente,Luiza precisa de você-mãe,e você-amiga,você e Luiza podem e devem utilizar todos os movimentos do corpo juntas,vocês precisam de mais contato,mais interação,leve-a para explorar a natureza,brincar com animais,correr sem se sentir presa,mexer com a terra,cuidar de uma plantinha,coloque ao seu alcance jogos de montar,pedaços de tecidos coloridos,bola coloridas e de diversos tamanhos,revistas,jornais,massas de modelar,e muita atenção,ambiente arejado,claros e saudável,e mão á obra!Sua filha é uma dádiva de Deus para você e você a benção de mãe que não se envergonha de dividir suas dúvidas,medos e temores.Já é um bom começo,sua vitória certa."Nada chega ao espírito,sem passar pelo corpo(Aristóteles)."

    ResponderExcluir
  5. Olá me chamo helaine tenho um filho de 1 ano e 8 meses a um mes atras descobri que ele e autista pesquisando conheci seu site nossa tem me ajudado bastante a entender a aprender a estimular meu filho espero que vc possa continua ajudando nao so eu mas outras maes q ajuda seus filhos a superar o autismo costumos dizer que meu filho nao e autista e sim um artista rsrsr por ser a uma pessoa tao especial que deus colocou em minha vida.!!!

    ResponderExcluir