quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Autismo infantil e Ritalina

Especialistas condenam prescrição de psicofármaco Ritalina a menores de cinco anos
Aconselhado apenas para casos extremos

Desta vez, os avisos vêm do Reino Unido. As novas linhas orientadoras ditadas pelo National Institute for Health and Clinical Excellence (NICE) referem que o conhecido medicamento chamado Ritalina (nome comercial do metilfenidato) usado para casos de défice de atenção e hiperactividade não deve “em caso algum” ser prescrito a menores de cinco anos e, apenas em último recurso, deve ser usado por crianças mais velhas. Em Portugal, os especialistas sublinham que a prescrição destes fármacos a crianças com menos de 5 anos abrange uma pequena minoria e situações muito especiais.

As novas directivas britânicas neste campo foram divulgadas hoje pelo diário inglês "The Guardian". Segundo este jornal, os especialistas defendem que antes de receitar Ritalina é preciso assegurar que todas as outras estratégias foram tentadas e falharam. Assim, fala-se numa aposta na formação de pais e professores para que aprendam a lidar com estas situações delicadas antes de simplesmente prescrever o medicamento que acalma a criança. Para a formação é proposto um programa de 12 semanas e apenas nos casos mais graves e como último recurso deve ser usado o psicofarmaco, sublinham. Além disso, o uso destes medicamentos, diz o NICE, deve ser sempre acompanhado de apoio psicológico.

A prescrição de medicamentos como a Ritalina sempre foi alvo de controvérsia e debate na comunidade científica. Ainda assim, há milhões de crianças em todo o mundo que parecem precisar desta medicação para resolver problemas de desatenção. Em Portugal, o problema deverá afectar entre 3 a 5 por cento da população escolar. “O manancial de experiência adquirido até hoje permite concluir que é um medicamento eficaz e seguro. Temos dados suficientes para concluir que a taxa de complicações a curto e longo prazo é muito baixa”, referiu ao PÚBLICO, o neuropediatra José Carlos Ferreira, especialista nesta área, admitindo que o fármaco pode produzir efeitos secundários já relatados como, por exemplo, palpitações e falta de apetite. “Há sempre muita vigilância nestas situações”, nota. O pediatra Pedro Cabral acrescenta: “É prescrito a muito poucas crianças com menos de cinco anos e com cuidados especialíssimos”, refere, notando que deve ser sempre investigada outra explicação para o problema como perturbações do espectro do autismo.

24.09.2008 - 20h41 Andrea Cunha Freitas
Notícia extraída do Jornal On Line Público.PT

8 comentários:

  1. Meu filho é autista atípico, de acordo com três laudos. É hiperativo, ecolálico,apresenta tapping, tem 4 anos. Sinceramente, estou pensando em recorrer a tal medicamento. Esgotamos todas os manejos para chegar a decisão. Isso me deprime, muito.

    ResponderExcluir
  2. RAimundo
    Fale com seu psquiatra sobre Risperidona!
    Risperidona é o único medicamento aprovado para controle de alguns maneirismos autísticos.
    Não me parece que Ritalina seja indicado para o caso do teu menino.
    Não sou médica mas mãe e estudiosa,informal,do assunto.
    Um grande abraço e tudo de bom para o teu baby:

    ResponderExcluir
  3. Claudia, o Risperidona para meu filho não deu certo, ele ficava grogue o dia inteiro, parecia ter tomado bebida alcoólica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá Cláudia! eu tenho um filho com autismo, e ele está usando o levozize ou neozine, ele está bem mais calmo agora.

      Excluir
  4. Olá, meu nome é Sandra Guimarães, tenho 3 filhos, 3 meninos, Lucca 7 anos,super calmo desde bebe, Israel 2 anos e 2 meses,o agitado desde bebe, e Rafael 1 ano e 1 mes, calminho também graças a Deus rs rs, pois o Israel de 2 anos e 2 meses me cansa muito, é muito agitado as vezes distraído, não houve a gente chamar, faz muita bagunça na casa, mexe em tudo, quebra, derruba, grita muito o meu pequenininho nem dorme direito, pq ele não deixa. ainda não fala muita coisa, só pai, mãe, e repete alguma coisa que a gente fala, tipo: vc quer pão? ele fala "pão". Vou leva-lo a um psicologo infantil pra ver o que realmente fazer, pois eu estou muito cansada, fico irritada com ele as vezes pois não obedeçe, passo vergonha em lugares diferentes pois ele parece um furacão. mas é lindo meu polaco e eu amo muito quero o melhor pra ele. e desejo tudo de bom pra vc e seu lindinho tbem.

    abraços

    ResponderExcluir
  5. Sandra ,meu nome é Mariana/ES tenho um filho de quatro que sempre ele repetia as coisas tipo:você quer pão? ai ele respondia você quer pâo, ai o tempo foi passando ele foi assim repetindo coisas como:ventilador,é ventilador mamãe, e toda hora falando a mesma coisa,hoje ele tem muita dificuldade de aprender ,até mesmo chutar uma bola ele não sabe sempre usa as mãos,se você notar algo diferente leve enquanto é tempo ,porque me arrependo não ter levado mais cedo.Boa sorte/ele est´com suspeita de autismo

    ResponderExcluir
  6. Sandra meu filho tem autismo e retardo grave e tem 07 anos. eu e minha esposa só descobrímos a doença quando ele tinhs quatro anos. leva o Israel em um neurologista, e peça dois exames: um eletro encefalograma e uma tomografia cerebral, eu tenho quase certeza que seu filho tem autismo. boa sorte e fé em Deus.

    ResponderExcluir