sábado, 2 de maio de 2009

Como as crianças autistas percebem o mundo

Os pais de Guilherme não sabem como ajudá-lo a se comunicar. Nem mesmo sabem se o filho os ouve quando falam com ele. Mas certamente sabem muitas coisas sobre o filho. Sabem de que comida, brinquedos e atividades ele gosta. Os pais de Guilherme podem não ter percebido, mas estas informações são importantes e podem ser usadas para ajudá-lo.

Algumas crianças dão pistas claras sobre o que gostam e o que não gostam. Por exemplo, pode ser que seu filho brinque sempre com o mesmo brinquedo ou puxe você até a porta da frente repetidas vezes. Nessas situações, é fácil perceber do que ele gosta. Mas, às vezes, é preciso observá-lo mais atentamente para descobrir as preferências dele. Desta forma, pode ser que descubra que ele gosta de pular, correr de um lado para o outro ou engatinhar por baixo dos móveis ainda mais do que você pensava.

As coisas das quais seu filho gosta podem ser difíceis de entender



























As coisas das quais seu filho não gosta podem ser difíceis de entender
































Seu filho pode fazer outras coisas difíceis de entender





































Muitas crianças com TEA (Transtornos do Espectro do Autismo), como as mostradas nas figuras anteriores, reagem de formas incomuns ao mundo ao seu redor. Isto acontece porque elas podem não sentir as coisas da mesma forma que você e eu. Seu filho pode ser hipersensível a certas sensações, o que significa que uma pequena quantidade da sensação pode estimulá-lo intensamente.

Se o seu filho é hipersensível, ele pode se afligir e tentar evitar as sensações que o incomodam. Por exemplo: Lucas, uma das crianças descritas anteriormente, é hipersensível ao som do aspirador de pó, por isso cobre os ouvidos para bloquear o barulho. Ao mesmo tempo, seu filho pode ser hipossensível a certas sensações e buscá-las, porque é necessária uma grande quantidade da sensação para estimulá-lo.

Crianças que são hipossensíveis ao movimento são particularmente ativas, porque correm de um lado para o outro, balançam o tronco ou pulam buscando provocar as sensações que precisam.

Por outro lado, há crianças que são hipossensíveis às sensações, e mesmo assim são passivas. Elas mal reagem ao mundo à sua volta,porque não estão obtendo estímulos suficientes.

É possível que seu filho tenha reações contraditórias às sensações – ele pode ser hipersensível a algumas e hipossensível a outras. Muitas crianças com TEA são hipossensíveis à fala e não respondem a ela, muito embora outros sons as incomodem.

Vai ser difícil que seu filho preste atenção ao que você diz, se ele tiver dificuldades em ouvir sons da fala.

Os comportamentos das crianças nas figuras acima, com exceção de Bruno, podem ser explicados pelas situações às quais são hiper ou hipossensíveis.

Da mesma forma que muitas crianças com TEA, Bruno, o menino que não sabe pedalar seu triciclo, tem dificuldades com planejamento motor, ou seja, para ele édifícil planejar e executar movimentos.

Quando seu filho tem dificuldades de planejamento motor, pode trombar com as coisas. Ou pode ser que brinque com os brinquedos de uma forma repetitiva, pois acha mais fácil aprender um só conjunto de ações do que aprender muitos. Falar é difícil paraalgumas crianças com TEA, em parte porque a fala requer muitoplanejamento motor da boca, língua e aparelho vocal.

Associe as preferências e ações de seu filho à maneira como ele vê o mundo

Essas crianças são hipersensíveis a algumas sensações e tentam evitá-las.

MOVIMENTO - Miguel tenta evitar movimento e tem medo da escada rolante.
TATO - João se incomoda quando seu pai toca sua cabeça.
VISÃO - Jaqueline tentar evitar a luz em seus olhos.
AUDIÇÃO - Alguns sons parecem ser altos demais para Lucas.
OLFATO - Karen não come macarrão porque não gosta do cheiro de molho codimentado.

Estas crianças são hiposensíveis a algumas sensações e procuram sentí-las.

MOVIMENTO - Gui corre pela casa para buscar movimento.
TATO - Luana gosta de sentir pressão sobre seu corpo.
VISÃO - Gabriel gosta de observar seus dedos movendo-se rapidamente.
AUDIÇÃO - Lucas parece não ouvir quando seu pai o chama.
OLFATO - Pedro gosta do cheiro do cabelo de sua mãe.

As visões, os sons, os cheiros, toques e movimentos de que seu filho gosta ou não gosta são chamados de preferências sensoriais. Será mais fácil entender o comportamento de seu filho se você identificar as preferências sensoriais dele.

Elas também mostrarão por onde você começa para ajudar seu filho a se comunicar. Se ele receber a informação através de seu sentido preferido, pode ser que consiga prestar atenção por mais tempo e aprender mais. Ao identificar as preferências sensoriais de seu filho, saberá quais atividades podem ser motivadoras e prazerosas tanto para ele quanto para você.

Trecho extraído do livro Mais do que Palavras de Fern Sussman

2 comentários:

  1. Olá meu nome Lene!Sou estudante do curso de Pedagogia e minha monografia trata da questão do Autismo Infantil e Educação.Meu interesse pelo autismo surgiu depois de ouvir o depoimento de uma mãe que possui um filho autista.Acredito que ainda há muita coisa a saber e aprende sobre o autista e seu mundo.

    ResponderExcluir
  2. oi sou professorae e atendo um aluno na rede pulblica com autismo gostaria de saber como motivá-lo a executar as as atividades em sala de aula. tornar a atividade mais interessante. ele está alfabetizado domina bem o computador mas o pai que ver em seus cadernos atividades escritas.até mais

    ResponderExcluir