sexta-feira, 1 de maio de 2009

Enquanto eu olho você dormir

Meu filho adorado, entrei devagarinho no seu quarto enquanto você dorme, para sentar ao seu lado e observar você por um instante. Seus olhos estão fechados, um cacho do cabelo cai sobre a testa e a respiração faz seu peito subir e descer quase imperceptivelmente. Eu estava trabalhando no escritório e de repente fui tomada de uma grande tristeza quando pensei no que aconteceu durante o dia. Não consegui mais prestar atenção no meu trabalho e então vim conversar com você no seu silêncio, enquanto você descansa.

De manhã, perdi a paciência e disse que você parecia uma lesma, porque levou um tempo enorme para se vestir. Depois, fuzilei você com os olhos quando derramou geléia na blusa limpa durante o café da manhã. "De novo?", suspirei fundo. Você apenas sorriu e se despediu: "Até logo, mamãe!"

À tarde estava no telefone enquanto você brincava no meu quarto, chutando a bola contra a parede do fundo e comemorando em voz alta cada vez que acertava um gol imaginário. Irritada, interrompi a ligação de quase uma hora para mandar você parar e ir fazer o dever de casa. "Tá bem, mamãe", você disse, meio culpado, e foi pegar a pasta para me obedecer.

À tarde, enquanto eu trabalhava em minha escrivaninha, você se aproximou e, hesitante, pediu: "Lê uma história para mim esta noite, mamãe?" Nos seus olhos, um brilho de esperança. "Esta noite, não", eu disse, rudemente. "Seu quarto ainda está uma bagunça! Quantas vezes vou ter de mandar você arrumar suas coisas?" Você saiu arrastando os pés, com a cabeça baixa, e foi para o quarto. Logo depois voltou, ficou encostado na porta. "O que você quer agora?", perguntei com a voz impaciente.

Você não disse uma só palavra, mas entrou decidido no quarto, jogou seus braços ao redor do meu pescoço e beijou meu rosto. "Boa noite, mamãe. Eu amo você." Foi tudo o que me disse, me apertando com força. E, tão rapidamente como apareceu, você se foi.

Depois disso, fiquei sentada um bom tempo, olhos fixos na mesa, sentindo uma onde de remorso me invadir. O que é que tinha acontecido comigo? Você não havia feito nada com a intenção de me aborrecer. Estava apenas sendo criança, se ocupando em crescer e aprender. Eu me perdi hoje num mundo adulto de responsabilidades e cobranças e fiquei com pouca energia para lhe dar. Você foi meu professor com seu impulso tão espontâneo de entrar no quarto e me beijar, mesmo depois de um dia difícil, enfrentando meu mau humor.

E agora, enquanto vejo você dormindo, torço para o dia chegar e começar tudo de novo. Amanhã vou usar a mesma compreensão que você teve comigo hoje, para que eu seja uma mãe de verdade – oferecendo um doce sorriso quando você acordar, uma palavra de apoio depois da escola e uma história animada na hora de dormir. Vou rir quando você rir e chorar quando você chorar. Vou tentar colocar limites com suavidade e afeto. Vou me lembrar que você é apenas uma criança, não um adulto, e vou ficar feliz por ser sua mãe. A alegria do seu espírito me tocou hoje e, assim, vim aqui, tarde da noite, agradecer a você, meu filho, meu professor e meu amigo, pela dádiva do seu amor.

Diane Loomans

Histórias para Aquecer o Coração 2

Um comentário:

  1. Boa Tarde,
    Somos estudantes da Universidade Paulista (UNIP), no curso de Psicologia.
    Estamos fazendo um projeto de pesquisa, para saber como os pais de crianças com o autismo lidam, "cuidam", ensinam e abordam seus filhos. Saber também, quais os Orgãos de ajuda, os locais de acolhimento para essas crianças e seus pais. (Se são de fácil acesso, se são em grande quantidade e etc.)
    A pesquisa é dedicada a esses pais, pois pela pesquisa feita até agora, nos mostrou que locais de acolhimento e informação para os familiares não é de grande abrangência.
    É uma pesquisa de uso privativo para a faculdade (até o momento).
    Procurando na internet, encontramos diversos blogs (como o seu) de pais de crianças com o transtorno autista, que o utilizam para contar e dividir suas experiencias com pessoas na mesma "situação".

    Porém, nossa pesquisa até o momento, foi feita apenas em bases teóricas, pesquisadas em livros, artigos cientificos e leituras diversas em revistas, reportagens e filmes sobre o assunto.
    Estamos entrando em uma fase do projeto, que é denominada pesquisa de campo, onde entramos em campo entrevistando, pesquisando face-a-face pessoas, observando, os sujeitos (pais de crianças com autismo, no caso), e transcrevendo posteriormente para uma suposta conclusão.
    Gostariamos de saber, se você, estaria disposto e interessado em nos ajudar com essa pesquisa.
    Estaremos fazendo um questionário via on-line, onde iremos perguntar diversos assuntos do dado interesse da pesquisa.
    O questionário ainda não foi feito, estamos em fase de seleção de sujeitos, onde apenas vemos quem está interessado em nos ajudar.
    Em um segundo momento (após a resposta), entraremos novamente em contato, mostrando o questionário e explicando com clareza a pesquisa feita até o exato momento. Enviaremos também um termo, mostrando que o projeto é de uso privado (realmente) para a faculdade, e aprendizado sobre o assunto, tendo assinatura de nossos professores e orientadores responsavéis pelo trabalho.

    Esperamos um retorno!

    Atenciosamente,
    Fernanda Pacheco

    (seria interessante um e-mail de retorno,com seu e-mail, onde possamos ter uma conversa mais privativa, muito obrigada. Meu respecticvo e-mail é: fernanda.c.pacheco@hotmail.com)

    ResponderExcluir