quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Nunca estamos sozinhos

Esta é a lenda do rito de passagem da juventude dos índios Cherokees:

O pai leva o filho para a floresta durante o final da tarde, venda-lhe os olhos e deixa-o sozinho. O filho deve permanecer sentado no topo de uma montanha por toda a noite e não pode remover a venda até que os raios do sol brilhem no dia seguinte. Ele não pode gritar por socorro para ninguém, e apenas se ele passar a noite inteira lá será considerado um homem. Ele não pode contar a experiência aos outros meninos porque cada um deve tornar-se homem do seu próprio modo, enfrentando o medo do desconhecido.


O menino, naturalmente, fica amedrontado. Ele pode ouvir toda espécie de barulho. Animais selvagens podem estar ao redor dele. Há o risco de que humanos possam feri-lo, insetos o importunam e cobras podem vir picá-lo, ele pode estar com frio, fome e sede. O vento sopra na grama e sacode os tocos, mas ele se senta estoicamente, nunca removendo a venda, imóvel, por toda a noite.

Segundo os Cherokees, este é o único modo dele tornar-se um homem.

Finalmente, após a noite horrível, o sol aparece e a venda é removida. Ele então descobre seu pai, sentado na montanha, perto dele. E ele estava a noite inteira lá, protegendo o seu filho.

Nós também nunca estamos sozinhos!

Mesmo quando não percebemos, estamos sim sendo protegidos a todo instante por algo superior. Pense sempre de forma positiva e acredite que, quando os problemas vierem, sempre terá mais alguém ao seu lado para te ajudar a solucionar, e quando amanhecer e lhe for removida a venda, você verá que o medo ensina muito, mas, na verdade, nem precisava ter tanto medo assim...

Autor desconhecido

Um comentário:

  1. Fiquei com lágrima nos olhos! Lindo texto e ensinamento!

    Já leu ou escutou sobre o texto "pegadas na areia"?

    Beijos!

    ResponderExcluir