terça-feira, 19 de agosto de 2008

Idéias para ajudar na comunicação

Figuras e fotografias

Para ensinar crianças a se comunicarem, temos que ajudá-las a entender que palavras, figuras e símbolos têm significado. O processo inicial é ensinar a associação entre figuras e objetos, que pode ser feito com jogos nos quais se nomeiam objetos. Depois, pode expandir-se para atividades, inicialmente usando-se ações reais (por exemplo, beber no copo) e, então, o abstrato (por exemplo, fingir que bebe no copo). Assim, pode-se usar a figura de um copo para expressar a necessidade de beber. Depois que se aprende essa etapa, pode-se acrescentar mais figuras.

Há dois modos de se usar figuras mais sistematicamente: o sistema de comunicação por troca de figuras para melhorar a comunicação e o horário visual, o qual emprega uma série de figuras para explicar uma seqüência de eventos futuros. Constata-se que ambos são de grande utilidade para muitas crianças. Algumas talvez não atinjam esse estágio, mas ainda assim recebem ajuda com o uso de cartões isolados para indicar que o farão a seguir.

Objetos

No início, algumas crianças acham dificílimo entender a ligação entre figuras e atividade. Nesse caso, é melhor começar usando-se um objeto real, talvez mostrando sapatos para indicar que a criança logo sairá. Ela pode comunicar a necessidade de beber alguma coisa colocando o copo sobre a mesa.

Os pais talvez queiram ajudar o filho a encontrar o caminho mais adequado para buscar ajuda. Por exemplo, podem usar uma técnica denominada “modelagem”.

Usar linguagem simples

Em geral, nossa linguagem é muito complicada para crianças com autismo. Muitos pais ficam perplexos ao descobrir o volume de complexidade da linguagem que usar ao assistirem a si próprios em vídeo, quando estão em casa com o filho. É mais útil manter frases curtas e o vocabulário simples. Usar primeiro o nome da criança e ater-se a verbos e substantivos simples pode fazer maravilhas em alguns casos: “George, dê o livro à mamãe” é mais eficaz do que: “Por favor, poderia me passar o livro?”

Contato frente a frente

Crianças reagem melhor se nos aproximamos delas e as olhamos no olho. É assim com todas as crianças, mas é muito importante para aquelas com autismo. Como ela praticamente não lançam mão do contato visual, é tentador achar que não é importante. Contudo, talvez nunca o aprendam se não vivenciarem regularmente.

Dar tempo para as respostas

Crianças com autismo costumam ter problemas de processamento da linguagem. Demoram mais para entender o que os outros dizem. Portanto, é importante dar-lhes mais tempo do que o normal para ouvirem, entenderem e descobrirem como responder. Deve-se falar mais devagar e esperar mais tempo pela resposta. Alguns pais ficam perplexos ao perceberem a diferença que essa atitude causa.

Computadores

Às vezes crianças com autismo reagem bem às informações em uma tela de computador. Há muitos jogos e programas didáticos no mercado. Chegou-se a se pensar que o uso de computadores levaria as crianças a desenvolverem automaticamente obsessões com essas máquinas e, assim, reduziria seu contato social. Na verdade, o uso de computadores costuma ajudar a incentivar a comunicação porque motiva muitas crianças, que se dispõem a pedir ajuda e compartilhar seu entusiasmo. Contudo, é importante proporcionar várias atividades alternativas e ter cautela quanto ao tempo que a criança passa exclusivamente brincando com o computador, pois o desenvolvimento de obsessões é uma realidade.

Usar o interesse e as aptidões da criança

Use os interesses e as aptidões de seu filho para ajudar seu desenvolvimento. Se ele é interessado em marcas de carro, por exemplo, tente criar jogos com elas para que seu filho denomine-as ou as relacione com palavras ou símbolos.

Trecho extraído do livro Convivendo com Autismo e Síndrome de Asperger.

Nenhum comentário:

Postar um comentário