segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Crianças autistas são mini-gênios?

Kanner acreditava que as crianças com autismo eram inteligentes, porém não o demonstravam. Tal noção levou ao mito da criança “secretamente inteligente”. A implicação imediata dessa noção é o perigo de se superestimar as potencialidades da criança, criando demandas sociais e intelectuais acima das suas capacidades, com desastrosas conseqüências. Muitas vezes a ausência de respostas das crianças deve-se a falta de compreensão do que está sendo exigido e não de uma atitude de isolamento e recusa proposital. A contínua falta de compreensão do que se passa ao redor, aliada à escassa oportunidade de interagir com crianças “normais” é que conduziria ao isolamento, criando, assim, um círculo vicioso.

O cinema encarregou-se de divulgar a noção de que indivíduos com autismo apresentam talentos especiais (capacidades para decorar listas telefônicas, realizar mentalmente cálculos complexos, desenhar com perfeição, etc.). Nesses indivíduos geralmente não se identificam problemas na área não-verbal (ex.: habilidades visuomotoras), podendo esta inclusive estar acima do esperado para a idade cronológica. Um exemplo é o desempenho superior de algumas crianças com autismo em tarefas de encaixe de figuras geométricas, em relação a crianças com desenvolvimento “normal”, da mesma idade, ou na montagem de um quebra-cabeças, que pode ser executado pelo “avesso” (desprezando a figura e guiando-se apenas pela forma das peças). Na verdade, tais habilidades estão presentes em menos de 10% dos indivíduos diagnosticados como apresentando autismo e têm sido explicadas pela combinação de comportamentos obsessivos e interesses sociais limitados. Cabe lembrar a interpretação dada por Kanner a tais comportamentos: ele acreditava que recitar inúmeros poemas, passagens religiosas, etc., seria uma forma de essas crianças “agradarem” e corresponderem às altas expectativas de suas famílias.

Trecho extraído do livro Autismo e Educação de Claudio Roberto Baptista e Cleonice Bosa

Nenhum comentário:

Postar um comentário