sábado, 12 de janeiro de 2008

E Pedro não soprou a velinha

O aniversário de 2 anos de Pedro foi um dia de alegria e ao mesmo tempo de angústia, alegria pela festa, pela reunião com os parentes e amigos e sobretudo por mais um ano de vida completado por Peu. A angústia decorreu por conta do prazo estipulado por sua pediatra para procurarmos um especialista devido ao atraso de sua fala: uma neuropediatra. Estávamos começando a ficar preocupados. Seis meses antes já havíamos levado ele a uma fonoaudióloga que nos tranqüilizou dizendo que esperássemos mais um pouco, pois o atraso na fala é comum em muitas crianças.

Na festinha Peu demonstrava pouco interesse pelas crianças que tentavam em vão brincar com ele, também não deu a mínima para os presentes que recebeu, o triciclo do Super-Homem que comprei está novinho até hoje quase sem uso. Não provou dos doces nem dos salgados nem dos refrigerantes.

Chegada a hora de cantar o famoso "Parabéns prá você" Peu já demonstrava sinais de cansaço por toda aquela algazarra, quando apagaram as luzes e todos começaram a cantar e bater palmas Pedro ficou muito irritado e fomos obrigados a sair com ele da sala, não deu tempo sequer de soprar a velinha.

Realmente, havia algo estranho no comportamento de Peu.

Um comentário:

  1. Imagino como vcs se sentiram. Minha filha nasceu surda e foi muito angustiante não ouvi-la me chamar de mãe por 3 anos. Só ouvi essa palavra: MÃE depois de muito tempo.

    ResponderExcluir